sábado, 10 de julho de 2010

O Pioneiro do cooperativismo no Rio Grande do Norte

FONTE - GERALDO MAIA, JORNAL O MOSSOROENSE (17/10/1872), EDIÇÃO DO DIA 11 DE JULHO DE 2010 (DOMINGO) - gemaia@bol.com.br

Em 25 de fevereiro de 1915 era criada a Sociedade "Mossoró Novo", que se constituía em um sindicato rural, que tinha como sede a cidade de Mossoró. De acordo com os estatutos da sociedade, a mesma tinha como fins gerais:

1.O desenvolvimento, estudo e defesa dos interesses da agricultura, pecuária e indústrias conexas, como elementos fundamentais da economia sertaneja;

2.A reorganização da vida econômica do sertão seco, sobre as bases do mutualismo e do cooperativismo, no sentido de máxima resistência, direta e indireta, contra os efeitos da instabilidade climática.

Para alcançar os fins desejados, ainda de acordo com os estatutos, o sindicato tinha como objetivos imediatos: promover a criação metódica e continuada propaganda de instituições mútuas e cooperativistas, de toda ordem, estendendo esse esforço por toda região periodicamente flagelada pela seca; fomentar, por meio dos institutos formados, o ensino primário e elementar agrícola e o técnico em geral, subministrando em círculo de estudos, bibliotecas rurais, cursos, conferências, campos de demonstração e oficinas-escolas; e organizar no sindicato e em todas as instituições anexas, reservas especiais para criação na sede sindical de um hospital e de uma escola ou aprendizado de artes e ofícios, compreendendo estes um curso de agricultura prática.

O Sindicato Rural Sertanejo, como ficou conhecido, teve como seus primeiros dirigentes: Dr. Filipe Nery de Brito Guerra, Presidente; Dr. Silvério Soares de Souza, Secretário; Farmacêutico Tércio Rosado Maia, Gerente; Cel. Manoel Cirilo dos Santos, Tesoureiro; Afonso Freire de Andrade, Arquivista. Tinha ainda no Conselho Administrativo: Dr. Antônio Soares Júnior, Cel. Bento Praxedes Fernandes Pimenta, Cel. João da Escóssia Nogueira. Dr. Manoel Benício de Melo Filho e o Dr. Rafael Fernandes Gurjão.

Esse sindicato foi, na verdade, a semente do movimento cooperativista do Rio Grande do Norte e teve como mentor o farmacêutico Tércio Rosado Maia. Sobre esse assunto, escreveu o historiador Filipe Guerra: "Tércio Rosado Maia quis abrir caminho para o cooperativismo. Fundou uma cooperativa sob a denominação de "Mossoró Novo". Salvo engano, foi essa a primeira vez que se falou, no Estado, em sociedade cooperativa. Foi ele seu propagandista, fundador e gerente. Trabalhou, fez funcionar pequeno estabelecimento, mesmo sofrendo prejuízos materiais".

O jornal "Comércio de Mossoró, em sua edição de 10 de janeiro de 1916, registrava: "Em reunião presidida pelo Cel. Bento Praxedes, realizou-se a Assembleia Geral da "Mossoró Novo", sendo definitivamente instalada essa sociedade. Leu bem confeccionado relatório do período organizacional dessa sociedade, o farmacêutico Tércio Rosado Maia, que falou muito bem e com inteira competência sobre o assunto. O Cel. Bento Praxedes felicitou o farmacêutico Tércio Rosado Maia pela realização de seu ideal e concitou a todos os membros da diretoria para se forrarem de perseverança a fim de vencer o indiferentismo público pelas instituições cooperativistas tão úteis e proveitosas nos meios em que se desenvolvem".

O farmacêutico Tércio Rosado Maia, o pioneiro do cooperativismo do Rio Grande do Norte, nasceu em Mossoró a 19 de agosto de 1892, sendo o terceiro filho do também farmacêutico Jerônimo Rosado e D. Maria Amélia Rosado Maia. Em 1910 formou-se em Farmácia pela Escola de Medicina da Bahia; em 1929 em Odontologia na cidade do Recife; em 1940 formou-se em Direito e cursou ainda até o 4º ano de Medicina, na mesma capital.

Em Mossoró, lecionou na Escola Normal e no Ginásio Diocesano Santa Luzia.

No Recife exerceu o magistério nos seguintes estabelecimentos de ensino: Faculdade de Comércio, Escola Politécnica, Escola Normal Pinto Júnior, Ateneu Pernambucano, Faculdade de Farmácia da Universidade do Recife, Ginásio Pernambucano, Colégio Santa Margarida e Colégio Vera Cruz.

Tércio Rosado Maia faleceu em 8 de setembro de 1960, aos 68 anos. O cônego Francisco de Sales Cavalcanti registrou sobre sua morte: "Desaparecido já da vivência leal dos que souberam admirá-lo, continuou vivo nos seus trabalhos admiráveis porque PASSOU PELA TERRA FAZENDO O BEM !..."

domingo, 18 de outubro de 2009

AS SOCIEDADES COOPERATIVAS

No Brasil
O artigo 3º. da Lei 5.764/71 traz claramente o objetivo essencial da criação de uma Cooperativa, onde “celebram contrato de sociedade cooperativa as pessoas que reciprocamente se obrigam a contribuir com bens ou serviços para o exercício de uma atividade econômica, de proveito comum, sem objetividade de lucro.” Isto significa que uma pessoa, para associar-se racionalmente a uma Cooperativa, deve partir da expectativa de que possa alcançar de FORMA ASSOCIATIVA a realização de seus objetivos em nível, no mínimo, igual ao que conseguiria individualmente.
As Cooperativas são sociedades de pessoas que não visam a obtenção de resultados para seus associados, no entanto, a avaliação da eficiência das mesmas não pode levar em conta apenas a obtenção de sobras para seus participantes visto que além de donos eles são também clientes desta empresa cooperativa, permitindo que os resultados auferidos possam ser econômicos, sociais, educacionais, agregadores de qualidade de vida, de renda, ou outros conforme os objetivos da mesma. Acima de tudo, as Cooperativas são associações ao serviço de seus membros.
Em situações normais as Cooperativas deveriam apresentar sobras zeradas, pois sua existência decorre das operações com os associados. Este raciocínio decorre do fato das Cooperativas serem empresas sem fins lucrativos, e as sobras positivas decorrem da realização de negócios com os associados com custos acima dos necessários para a sobrevivência da empresa. Este ideal, no entanto, afronta a necessidade de perpetuação da Cooperativa que, competindo em um mercado dinâmico e em crescimento contínuo, exige uma margem de rentabilidade que possa manter sua capacidade de obtenção de tecnologia e ganhos de escala.
Esta necessidade de crescimento faz com que a empresa Cooperativa tenha de ter um alto nível de administração e gerenciamento, dignos de grandes empresas capitalistas, inibindo com isto que ela assuma um caráter meramente assistencialista ou paternalista.
A participação dos associados é o principal fator de eficiência empresarial nas Cooperativas. É em função dos associados que a Cooperativa existe, caso ela deixe de cumprir seu papel de representante de seus associados ela perde a razão de existir. Esta participação exige uma EDUCAÇÃO COOPERATIVA, voltada para a conscientização política e social, para a transparência na gestão e para a organização do quadro social.
Acima de tudo as sociedades cooperativas devem ser competitivas e atraentes para seus associados. A garantia de que a competitividade seja atingida pressupõe que algumas dificuldades sejam conhecidas e deixadas para trás, sejam elas, a baixa acumulação de capital, o investimento em tecnologia e a competitividade de seus produtos através de ganhos de escala e qualidade.
Destes fatores merece atenção a questão do capital social visto ser este o “sangue” que corre nas veias da Cooperativa. A formação e acumulação de capital é a chave para a absorção e desenvolvimento de tecnologias (industriais, produtivas e administrativas) e para o desenvolvimento e conquista do mercado.
Melhores serviços ou preços aos associados, durante o exercício, representam antecipações de benefícios que ocorreriam ao final, se a estratégia administrativa se orientasse para elevados excedentes a serem distribuídos.

O QUE É COOPERAVISMO

O Cooperativismo é um sistema econômico que faz das cooperativas a base de todas as atividades de produção e distribuição de riquezas, tendo como objetivo difundir os ideais em que se baseia, no intuito de atingir o pleno seu desenvolvimento econômico e social.
É a união de pessoas voltadas para um objetivo comum, visando alcançar os objectivos propostos na sua constituição estatutária.